O espanhol na Venezuela

  • Isabella Caroline do Nascimento da Rosa
  • 16-11-2020
  • (0) Seja o primeiro a gostar disso!

A língua espanhola apresenta uma grande variedade linguística, sendo considerada língua oficial em 20 países. Um deles é a Venezuela, país localizado na América do Sul e que faz fronteira com o Brasil nos estados do Amazonas e Roraima. Seguem abaixo algumas palavras e expressões típicas da região: 

  • Épale – Olá 
  • Rumba – Festa 
  • Pelabola – Sem dinheiro 
  • Chola – Sandália, chinelo 
  • Filo – Fome 
  • Arrecho(a) – Bravo(a), irritado(a) 
  • Escaparate – Guarda-roupa 
  • Pana – Amigo(a)
  • Chévere – Excelente, legal
  • Chamo(a) – Pessoa jovem 
  • Ricarda – Usado para mulheres bonitas
  • Riquiquín – Usado para homens bonitos 
  • Tombo - Polícia / Policial 
  • Birra - Cerveja
  • Dale pues, si va – Claro, OK 
  • No le pares – Não preste atenção 
  • Háblame – Olá, como posso ajudar?
  • Cartelúo – Muito bom 

Cristóvão Colombo chegou na região no ano de 1498, porém o primeiro povoado espanhol permanente, Cumaná, foi erguido apenas em 1523. O nome do país, Venezuela, “Pequena Veneza”, foi decidido por conta das casas indígenas que ficavam em palafitas sobre a água. A economia colonial se baseava na agricultura, sendo controlada pela Coroa Espanhola. O país foi declarado independente em 5 de julho de 1811.

A Venezuela é uma grande exploradora de petróleo, tendo sido a maior exportadora entre o final dos anos 40 até os anos 70, porém, por conta da recessão econômica dos anos 80 e 90 e de problemas internos, a exploração foi consideravelmente reduzida. 

Atualmente o país passa por uma grave crise econômica e social, causando uma grande migração de venezuelanos para o Brasil. De acordo com a UNICEF, foram registradas mais de 178 mil solicitações de refúgio e residência temporária. Segundo a Força Aérea Brasileira, o Paraná é o quarto estado que mais recebeu migrantes venezuelanos, 10,8%, ficando atrás do Rio Grande do Sul, São Paulo e Santa Catarina. 

Para entender melhor a situação, conversei com um casal de Venezuelanos, Rafael (26) e Aleidy (22), originários da Província de Miranda. Eles estão morando no Brasil há um pouco mais de um ano. Segue abaixo a transcrição da nossa conversa:

Isabella - Como era a vida na Venezuela?

Rafael – A vida na Venezuela era muito difícil, nós mudamos para cá, para o Brasil, porque a economia estava muito, muito, ruim, não só a economia, também a saúde, também era muito perigoso. Principalmente, foi por isso, era muito difícil viver.

Isabella – A situação no país era muito complicada?

Aleidy – Sim, muito. Antes a Venezuela não era assim, quando nós éramos crianças, tinha muitas coisas importadas e muitos estrangeiros, a panificadora era de um português, quem vendia roupa era do Peru, cada loja era de uma pessoa de um lugar diferente, então era um país que tinha muita cultura e tinha de tudo, mas tudo isso desapareceu.

Isabella – Era muito difícil achar emprego?

Rafael – Na verdade não, eu tinha todo tipo de emprego lá, só que o salário de qualquer emprego era muito ruim, não dava para viver.

Isabella - E por que vocês escolheram o Brasil?

Rafael – Foi poque recebemos ajuda da nossa igreja e de um empresário que tem convênio com uma empresa aérea do Brasil, ele estava ajudando venezuelanos a saírem da fronteira para certas partes do Brasil. Conversamos com ele na Venezuela e já sabíamos que iríamos chegar em Curitiba, estávamos em contato com pessoas daqui que iriam nos receber e também pesquisamos. 

Aleidy – Eu pesquisei muitas cidades do Brasil, porque, na verdade, o que se ouve fora do Brasil é que o país é muito perigoso, então eu não queria sair de um país que era muito perigoso para entrar em outro país perigoso. Então eu pesquisei muitas cidades e gostei muito daqui. Era Curitiba ou Florianópolis, mas falei para ele [Rafael] que tenho muito medo de morar perto do mar, não sei, pode acontecer alguma coisa. 

Isabella - O processo de adaptação foi, ou está sendo muito difícil?

Rafael – Foi fácil para nós. 

Aleidy – Um pouco difícil é o idioma, entender é fácil, nós entendemos tudo, mas falar é mais complicado. Tem muitas palavras que, por exemplo, vocês falam ‘emprestar’ que em espanhol é uma palavra feia, é um erro ortográfico, para nós é apenas ‘prestar’. Existem muitas palavras que para nós não faz sentido.

Isabella – Você [Aleidy] veio com sua família, certo?

Aleidy – Nós chegamos com minha mãe e meus irmãos e meu padrasto, depois chegou o restante da família. 

Isabella – E para eles, está sendo fácil a adaptação?

Aleidy – Para meus avós, não, eles já estão na terceira idade, então é bem difícil. Para minha vó o idioma é um problema, e ela é jornalista, trabalhou em jornais e muita coisa, ela sabe falar italiano, mas o português ainda está complicado. Meu avô é engenheiro civil, então ele quer aprender, nós começamos um curso de português na Universidade Federal, mas achamos muito difícil, achávamos que seria desde o começo, como era na escola, mas não foi assim, então eles ficaram meio chateados 

Isabella – O que mais sente falta do seu país? 

Rafael – Das praias. 

Aleidy – Nós morávamos em uma cidade que a praia é bem perto, uns 40 minutos. Mas sinto falta das praias e da cultura, às vezes faz falta, porque quando vou falar, tenho que falar português, só falo espanhol com a minha família, mas do resto é tudo legal.

REFERÊNCIAS 

https://hridiomas.com.br/conheca-51-girias-da-venezuelanas-regionalismos-de-venezuela/. Acessado em 18/10/2020

https://www.bomespanhol.com.br/girias/paises/venezuela. Acessado em 18/10/2020

https://www.trustedtranslations.com/spanish-language/translation-to-spanish/venezuelan.asp. Acessado em 18/10/2020

https://www.britannica.com/place/Venezuela. Acessado em 19/10/2020

https://www.unicef.org/brazil/crise-migratoria-venezuelana-no-brasil. Acessado em 22/10/2020 

http://www.aen.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=102638&tit=Cresce-numero-de-migrantes-e-refugiados-que-buscam-recomeco-no-Parana. Acessado em 22/10/2020

Isabella Caroline do Nascimento da Rosa, Estudante

Graduanda de Letras e Inglês pela UFPR e professora de Inglês.

Deixe um commentário

Logo UFPR

Línguas em Diálogo é um projeto de extensão do curso de Letras da Universidade Federal do Paraná.
CLIQUE AQUI para ver o cadastro do projeto na intranet da UFPR.